Palma é alternativa alimentar para o gado leiteiro

  • Por: Release da Web - Rausch Mainenti
  • Agronegócios
  • 0 Comentários

Produtores rurais do Norte de Minas Gerais investem no cultivo da palma forrageira como opção para complementar a alimentação do rebanho leiteiro, principalmente em tempos de seca. Sem depender diretamente da chuva, a planta serve de alimento para bois, cabras e ovelhas, além de ajudar na hidratação dos animais, já que é constituída por até 90% de água.

Para ampliar a oferta da palma na região, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), em parceria com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), fornece mudas da planta e capacita o cultivo junto aos produtores locais.

Segundo a pesquisadora e chefe-geral da Epamig Norte, Polyanna Oliveira, o projeto de distribuição da palma este ano passou a receber recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). “Vamos capacitar os extensionistas da Emater para repassarem o conhecimento técnico em todas as unidades demonstrativas que plantarem a palma, e vamos também instalar unidades demonstrativas da cultura”, explica.

Na unidade da Epamig em Nova Porteirinha estão sendo pesquisadas duas variedades da palma forrageira, a chamada palma gigante e a miúda ou doce. “Elas são totalmente diferentes, tanto em desenvolvimento, tamanho da raquete e nutrientes. Queremos descobrir qual a melhor opção para a região, mas hoje trabalhamos mais com a palma gigante”, conta Polyanna.

Com o novo projeto financiado pela Fapemig, até setembro está prevista a instalação de sete unidades demonstrativas da palma forrageira, nos municípios de Leme do Prado, Minas Novas, Chapada do Norte, Berilo, José Gonçalves de Minas, Jenipapo de Minas e Francisco Badaró, que receberão as variedades e capacitação dos técnicos da Emater.

O coordenador técnico da Emater em Janaúba, André Caxito, conta que a palma, amplamente difundida no Nordeste do Brasil, começou a ter seu uso difundido no Norte de Minas Gerais há quatro anos, também em parceria com a Epamig. Neste período, 200 mil mudas (raquetes) foram distribuídas para produtores de 27 municípios.

“Quem recebia a palma firmava o compromisso conosco de, no primeiro ano de colheita, disponibilizar pelo menos 10% das mudas para outros produtores. Assim, fomos multiplicando a cultura na região, pois ela consegue aguentar os longos períodos de estiagem que estamos passando aqui”, afirma.

Complementação de dieta – Apesar de oferecer muita água e ser fonte de energia para o animal – podendo substituir em até 70% a energia fornecida pelo milho – a palma tem baixo teor de fibra, proteína e matéria seca. Portanto, ela não deve ser utilizada como única fonte de alimento para os bovinos, e sim como complementação da dieta.

“É necessário compensar a baixa quantidade de proteína. A palma pode participar em até 50% da matéria seca da alimentação dos animais, combinada com outro volumoso, como, por exemplo, silagem de sorgo, milho, mileto ou cana”, recomenda o técnico da Epamig no Campo Experimental de Acauã, no Vale do Jequitinhonha, Jair Mendes.

A grande vantagem da palma é que, além de ser uma boa opção para a dieta dos animais, ela se sobressai em condições de seca. Em um hectare de terra, é possível obter mais de 100 toneladas de palma forrageira, com custo baixo e pouca água.

“Muitas vezes o produtor planta milho ou sorgo, mas a estiagem entre uma chuva e outra o faz perder a lavoura e ter prejuízos. A palma aguenta essas condições”, destaca Mendes. Além disso, estima-se que o gado consuma cerca de 20% a menos de água ao receber a palma em sua dieta.

A palma deve ser plantada 30 dias antes do início do período chuvoso, e é colhida um ano após o plantio. “Depois disso, o produtor tem palma o ano inteiro, e não precisa esperar o período da seca para utilizá-la”, explica o coordenador técnico da Emater Janaúba, André Caxito.

Com informações da Emater-MG

Postado em: Agronegócios, Notícia